Professores em greve

Mais de 100 escolas paralisadas em SP em defesa dos professores. 

  • 10
    Shares

Mais de 100 escolas paralisadas em SP em defesa dos professores.

Do Portal Vermelho. Nesta quarta-feira (29) os professores da educação básica da rede particular de São Paulo voltaram a paralisar as atividades em defesa de direitos trabalhistas que podem ser retirados pelos proprietários dos estabelecimentos. A Convenção Coletiva com direitos consolidados há pelo menos 20 anos, como o recesso escolar de 30 dias, está sofrendo ataque dos empregadores desde a entrada em vigor da reforma trabalhista de Michel Temer.

“A reivindicação dos professores é justa e simples: Querem manter direitos construídos ao longo de há mais de 20 anos e que as escolas, por meio do seu sindicato, querem acabar. A convenção é um patrimônio que dá identidade coletiva e faz de cada professor parte de uma categoria. Como abrir mão desse direito?”, diz comunicado do Sindicato dos Professores de São Paulo (Sinpro-SP) distribuído aos trabalhadores.

O sindicato que representa os proprietários de escolas é o Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino de São Paulo (Sieeesp). Após a paralisação do dia 23, houve sinalização do Sieeesp de que pode haver uma retomada nas negociações, segundo Celso Napolitano, presidente da Federação dos Professores (Fepesp), entidade que coordena a campanha salarial.

A paralisação desta quarta é a segunda e tem recebido apoio de estudantes e de pais de alunos. Na quarta-feira (23), 37 escolas e aproximadamente 3.200 professores paralisaram as aulas em defesa da preservação dos direitos trabalhistas.

Assim como na primeira paralisação, nesta manhã, foram realizadas aulas públicas, rodas de conversa e protestos, incluindo iniciativas de estudantes: alunos dos colégios Sion e Rio Branco bloquearam via nas imediações da escola. A partir das 14h haverá assembleia na sede do sindicato e após o ato passeata, às 16h, até a avenida Paulista.

Os docentes buscam manter conquistas como 30 dias de recesso no final do ano (patrões querem reduzir para 23 dias) e duas bolsas de estudo para os filhos (redução para uma em escolas com menos de 200 alunos). Também lutam contra o fim (ou a inviabilização) da garantia semestral de salários (que regula o valor recebido em caso de demissão), das férias coletivas e a possibilidade de redução salarial, por meio de acordo individual.

Veja também

Dilma lidera disputa para o Senado em Minas Gerais... Dilma lidera disputa para o Senado em Minas Gerais. Aécio Neves vem em segundo. Segundo o instituto Paraná Pesquisas Dilma Rousseff está em primeiro ...
Programação do primeiro de Maio no Brasil. Confira programação do primeiro de Maio no Brasil. Programação completa de shows e atos em todo o Brasil divulgada pela Cut: Em Curitiba (PR), o a...
Carta de Lula ao MST Carta de Lula ao MST enviada em 23 de abril. A carta foi entregue a João Pedro Stédile, líder do movimento. Leia a íntegra do texto: "Meus quer...
Os dias de Leonardo Boff na prisão. Por Leonardo Boff – Há uma cena de grande dramaticidade no evangelho se São Mateus quando se trata do Juízo Final”, quer dizer, quando se revela o des...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *